Romanelli busca solução para a termelétrica de Figueira no D.F.

Desativada e devolvida à União pela Copel

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD) disse nesta quarta-feira, 7, que o governo federal está buscando alternativas para a manutenção da usina termelétrica (UTE) de Figueira, desativada pela Copel. A companhia devolveu a concessão à União. Romanelli tratou da situação da usina na audiência em Brasília com o secretário nacional de Energia Elétrica, Gentil Nogueira de Sá Júnior, no Ministério de Minas e Energia (MME).

“O secretário foi muito propositivo e pretende que a usina continue operando”, afirmou Romanelli ao final do encontro com Gentil Nogueira de Sá . Segundo ele, a viabilidade do uso do carvão como combustível da usina depende da aprovação pelo Senado do projeto de lei 11.247/2018, que já passou pela Câmara dos Deputados.

Romanelli explicou que um dos artigos da lei prevê a extensão do prazo para o fornecimento da energia gerada por usinas movidas a carvão até 2050. A medida atende as térmicas de Candiota (RS) e Figueira (PR), que têm contratos em vigor somente até 2028. “Encontramos um ambiente de resolução no governo federal e saímos da reunião esperançosos da manutenção do funcionamento da termelétrica de Figueira”, afirmou.

Geração – A UTE Figueira foi instalada na década de 1960 e tinha capacidade de geração de 13 megawatts (MW) de energia. Em 2022, foi finalizado um grande investimento realizado pela Copel para a modernização da unidade. Atualmente, a usina pode gerar até 20 MW, sem a necessidade de aumento no consumo de carvão mineral.

A Copel sustenta, contudo, que a devolução da concessão faz parte da estratégia de descarbonização das operações da companhia, que já havia sido anunciada em 2023, e também segue diretrizes do setor energético nacional para mitigar emissões de gases que provocam o efeito estufa, para atender os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU.

Apoio político – A agenda com o secretário do MME foi intermediada pela deputada federal Gleisi Hoffmann (PT) e o encontro foi acompanhado pelo deputado Arilson Chiorato (PT) e pelos prefeitos de Figueira, José Carlos Contiero (União Brasil), e de Sapopema, Paulinho Branco (PSB), outra cidade afetada pela paralisação da usina.

Também estiveram presentes Marcio Ploszaj, que é diretor de Operação e Manutenção da Copel Geração e Transmissão, o procurador jurídico da Prefeitura de Figueira, Fábio Souza, o presidente da Câmara de Vereadores do município, Luiz Gomes, e o presidente do presidente do Sindicato dos Mineiros do Carvão (Polaco), Carlos Oliveira.

Você terminou a leitura
Compartilhar essa notícia
Escrever um comentário

Últimas notícias

Pesquisar

Digite abaixo o que deseja encontrar e clique em pesquisar.